Em destaque

Na estrada por Monte Verde – MG

Olá pessoal, sei que todos nós estamos passando por momentos delicados, muitos ainda em isolamento social, outros nem tanto, mas está tudo bem. Precisamos seguir e muitas vezes nos arriscar. Por isso, o Programa Vem Pra Rua – Gastronomia e Cultura resolveu ir para estrada, com todos os cuidados necessários e regras de cada lugar visitado. Hoje mais do que nunca precisamos focar em viagens curtas, regionais, próximas à nossa casa, então fomos dar aquela esticadinha aqui por perto.

Quando escolhemos visitar Monte Verde sabíamos o que viria pela frente. E acho bom deixar isso bem claro, é importantíssimo se informar quando você for fazer uma viagem dessas. Foi fundamental ter entrado em contato com a MOVE (Agência de Desenvolvimento de Monte Verde e Região) a presidente Rebecca Wagner nos instruiu perfeitamente sobre as regras da cidade nesse momento que vivemos. Não era sobre ir, era sobre se preparar. Sobre como estaria o tempo, sobre estar aberto a novidades do local.

Então meus queridos, antes de pegarem a estrada se informem, pois vocês só poderão entrar no distrito de Monte Verde-MG, se no portal você apresentar seu CPF e quase que imediatamente através de um celular, os atendentes já saberem onde você ficará hospedado. Fácil assim.

Mas o que viria era só o começo do nosso passeio. Para chegar até a vila de quase 4,500 habitantes você terá que passar primeiro por Camanducaia, no sul de Minas Gerais e à 160 km de São Paulo. Essa viagem pode ser feita de carro ou até mesmo de ônibus. Partindo do Terminal Rodoviário Tietê, tem saídas diárias com destino a Camanducaia, e daí para Monte Verde. Importante: a viagem até Camanducaia dura 2h20 e depois você terá que pegar outro ônibus para Monte Verde. Outra forma de chegar lá é de carro, saindo da capital paulista pela Via Dutra BR-116, em direção a Guarulhos. No km 13 à 2 km antes da entrada de Guarulhos, entre na Rodovia Fernão Dias e siga por ela mais 121 km até Camanducaia. Entre na cidade, siga as placas por mais 30 km até Monte Verde.

É maravilhoso poder se desconectar um pouco, mas só um pouco, pois muita gente que vai a Monte Verde, vai pelo agito mesmo. E é isso que vou mostrar para você. Nesta linda Vila que fica à 1555,5 metros de altitude você encontrará várias opções e possibilidade, para todos os gostos e bolsos. Por isso acompanhe o nosso Blog e o nosso canal que sempre estaremos dando dicas pra lá de especiais.

Ar Puro!!!

Nosso primeiro dia foi de adaptação, já que vínhamos de uma semana agitada. Chegamos na cidade no fim de tarde. Nada como chegar e se acomodar, e foi aí que conhecemos a Pousada Carícia do Vento (https://www.pousadacariciadovento.com.br ) que nos acolheu. Cada detalhe dessa pousada foi pensado, só pode. Desde a decoração, até seu delicioso café da manhã são preparados cuidadosamente. A música ao vivo de fundo dá aquele ar de Europa. Suas manhãs nessa pousada serão inesquecíveis. A crítica gastronômica sobre alimentos e bebidas do hotel você poderá acompanhar em breve em nossa seção exclusiva aqui no blog.

Mas não paramos não, o Programa Vem Pra Rua na Estrada, apenas chegou à Monte Verde e estávamos dispostos a desbravar a cidade. Eu simplesmente achei que com a chuva que estava neste dia, seria complicado gravar o programa, mas não foi. Entender que Monte Verde tem vida própria durante a semana é incrível. Então se você pode trabalhar de longe, com certeza a cidade está preparada para isso. E para lhe receber.

É incrível como a tecnologia tem ajudado todo mundo nesse momento, os restaurantes, hotéis, pousadas, estão equipados para receber os turistas. E lógico, com toda higienização necessária. Aqui vai uma grande dica, leve seu celular, você vai precisar dele. Sabe porquê? Quase nenhum restaurante, café e bares tem mais o cardápio de papel, agora é tudo na tela do seu celular. Baixe o APP que faz a leitura do QR code, e ali mesmo você já explora do seu celular todo o menu e carta de vinhos. No Villa Donna (http://www.villadonna.com.br/) não foi diferente, com todas as regras de higienização o badalado bistrô mostrou que está bem antenado.

Mas o nosso propósito era ir além, não queríamos deixar de lado o que realmente tínhamos como propósito nessa viagem, desvendar Monte Verde na essência. Ir à lugares que não estávamos acostumados a ver toda hora na mídia.

Depois de ouvir uma história aqui, outra ali, fomos convidados pelo proprietário do Hotel Cabeça de Boi (https://www.hotelcabecadeboi.com.br) Gustavo Arrais para conhecer seu hotel, e o que chamou a atenção foi a grandiosidade do local e a recreação. O espaço é imenso e ali você encontra de tudo. Pode deixar seus filhos em total segurança com os monitores e curtir aquele momento à dois. É uma boa dica também.

Passeamos muito. Realmente Monte Verde tem muitos atrativos. Você pode visitar o Ice Bar (https://icebarmonteverde.com.br) e sentir aquele frio à -17 graus Célsius. Com certeza você sairá dali querendo se aquecer e preparado para tomar um bom vinho. E eu não poderia deixar de dar essa grande dica. Vá a Confraria Paulistânia que fica na Galeria Suíça. Além dos deliciosos pratos preparados pelo chef André, tem a opção de pegar seu vinho ali mesmo na adega, que fica ao lado do restaurante. E os vinhos são os melhores. Lógico que se você não quiser saborear um vinho, tem vários cafés que preparam um delicioso chocolate quente. E na maioria das vezes você nem precisa entrar em restaurantes, tem ali mesmo na rua. Mas vou lhe dizer uma coisa, são tantos restaurantes e pratos deliciosos que não teria espaço aqui para poder falar de todos, muita comida mineira https://villaamarela.com.br. Um melhor que o outro. Mas essa parte eu deixo para o Luiz na área gastronômica que estará recheada de sabores sobre Monte Verde.

Lógico que os 4 dias que ficamos na cidade foram pouco para tudo que gostaríamos de ter feito. Foi aí que eu e Luiz decidimos que seguiríamos a nossa intuição, e andando de carro para lá e pra cá naquele frio de 5 graus vimos uma pista de patinação, como eu não iria andar? (Https://monteverde.org.br/patinacao-no-gelo) Meu sonho. Nunca andei de patins no gelo. E foi incrível, me senti uma menina de 10 anos, dando voltas e voltas. Mas o melhor ainda estava por vir.

No nosso último dia, após tomar aquele belo café da manhã e prontos para voltar para São Paulo, resolvemos fazer algumas imagens a mais para ajudar na edição do Programa. Foi aí que tivemos a grande surpresa. O sol estava à pino após quase 3 dias de chuva, e realmente digo que foi um presente de Deus. Entramos num parque que na noite anterior eu tinha pego um fleyer em uma loja. Como eu acredito muito em sinais, ali estava uma das grandes histórias e você vai acompanhar no nosso programa no Youtube. O Parque Oschin ( http://parqueoschin.com.br ) nos mostrou a verdadeira essência de Monte Verde. Na beira de um lago com 6 cisnes negros, 3 lhamas e muita natureza ao redor, o Sr. Vilson Oschin preparou uma fogueira e ali mesmo sapecou pinhão. Algumas pessoas que visitavam o parque naquele momento, ouviam suas histórias. Ele preparou um delicioso café tropeiro em meio a muita prosa. Nos contou como seus avós chegam à região em 1938 e se apaixonaram pelo clima que lembrava sua cidade natal na Letônia. Depois de comprar o primeiro lote e se mudar com a família, ele adquiriu mais terras e ampliou a fazenda que, mais tarde, viria a ser transformar na vila Monte Verde.

Mas tudo isso, você vai acompanhar no YouTube do Programa Vem Pra Rua – Gastronomia e Cultura na Estrada www.youtube.com/programavemprarua  não esqueça de se inscrever e ativar o sininho!!

Em destaque

Crítica Gastronômica-Villa Donna Bistrô

Villa Donna Bistrô – Monte Verde/MG

 Em cada cidade que nós passamos com o Programa Vem Pra Rua – Gastronomia e Cultura, não podemos deixar de descobrir aonde está o melhor sabor, o melhor tempero, o melhor ambiente e claro, o melhor atendimento, afinal, quando se trata de restaurantes cada um desses elementos complementa o outro.

Monte Verde não decepciona em nada na gastronomia e meu desafio como amante dos sabores, dessa vez seria encontrar alta gastronomia com sabor de comida mineira de verdade, do contrário, de nada adiantaria eu Luiz Vidal, ter ido a Minas Gerais.

 Confesso que mesmo tendo trabalhado em alguns restaurantes de altíssima gastronomia e contemporâneos, até hoje eu não conhecia uma cozinha refinada capaz de recriar os sabores caseiros e tradicionais como o restaurante que entraria no meu catálogo de “Quero voltar e Você tem que ir”.

 Geralmente os bistrôs, na minha opinião, levam grande vantagem em cima de qualquer outro tipo de restaurante, por terem um cardápio mais enxuto, mesmo quando necessitam de técnicas um pouco mais avançadas na execução do seu menu, mas o Villa Donna foge um pouco à regra, seu menu é maior do que o de costume para Bistrôs.

Era nosso primeiro dia na cidade de Monte Verde – MG, Analice e eu andávamos pela rua principal imaginando se ali teríamos uma experiência gastronômica diferenciada, algo que realmente nos surpreende-se. Nós dois somos dois comilões de primeira, mas quando o quesito é comida tradicional, meu nível crítico acaba ficando um pouco mais elevado, e não importava o lado que eu olhasse em meio a tantas lojas de roupas, artesanatos, decoração e “grandes” restaurantes, ainda nenhum local me chamava atenção, como quem me dissesse :” Vem aqui, que meu sabor irá surpreender vocês”.

Já estávamos quase desistindo e buscando algo que simplesmente fosse bom, quando meu instinto me levou ao fundo de uma galeria, na verdade um Boulevard chamado Vila Europa, onde todas as lojas estavam fechadas, mas lá no fundo havia uma luz acesa e por algum motivo eu tinha certeza que se tratava de um restaurante. Eu sei que seria mais fácil se nós simplesmente procurássemos em algum site relacionado com indicações, mas gostamos mesmo é de deixar o local nos dizer o que fazer, ou aonde ir, e aquele corredor ao lado de um mini pátio, onde uma fina garoa completava a temperatura extremamente baixa, na ocasião 2 gruas Célsius, nos levou ao Villa Donna Bistrô.

Na entrada um menu e carta de vinhos em QR code, devido as atuais circunstâncias do Covid-19. As primeira impressões foram boas, um atendente bem atencioso nos recepcionou assim que percebeu nosso interesse no menu, e nos levou à uma mesa no andar superior, era a última mesa disponível no local.

 A decoração nos fez sentir que estávamos na casa de alguma avó bem mineirinha, extremamente cuidadosa com cada detalhe. Na mesa posta, clean, com uma pitada de cores clássicas, duas taças, e guardanapos enrolado em anel de metal, em pouquíssimo tempo fomos atendidos por um garçom extremamente atencioso, prestativo e o melhor de tudo, entendia o menu do restaurante, uma prática que infelizmente hoje em dia é difícil de encontrar (malditos donos de restaurantes que não servem o menu todo, aos seus funcionários).

Eu já havia olhado o menu e sabia o que iriamos comer, mas mesmo assim perguntei para o Marçal, o garçom atencioso, qual prato do menu ele achava que representasse a comida mineira. Sem pensar ele indicou:

De entrada a indicação foi bruschettas para os dois. No prato principal, Arroz Caldoso  Caipira – Frango Defumado Artesanal, Bacon, Ervas frescas e Ervilha. R$64 para mim. Para a Analice, Risoto de Arroz Arbóreo com Pinhão da região, Truta Grelhada com Molho de Cogumelos e Lascas de Pinhão tostado, R$68. E para harmonizar, um vinho branco que não nos lembramos do Rótulo para ela, e para mim, uma água sem gás, exatamente a escolha que já havíamos feito na entrada.

O ambiente acolhedor, pessoas alegres e funcionários que visivelmente estavam felizes por trabalharem no local, completam o ambiente e qualquer outra palavra que eu escreva aqui para definir o Villa Donna Bistrô, não descreverá com precisão o restaurante. Só posso dar um conselho, vá a Monte Verde e vá jantar lá. Sei que o bistrô abre de dia também, mas o ambiente romântico noturno da cidade, deixa tudo ainda mais gostoso.

Me chamo Luiz Vidal, sou cozinheiro e com toda certeza o Villa Donna Bistrô, é um local que tem meu selo de qualidade, e entrou para o meu catálogo de restaurantes que voltarei e indico com toda certeza.

Gostaria de agradecer também ao Leandro Oliveira, @lendropontocom (instagram), pela ótima assessoria que nos deu para que a viagem a Monte Verde fosse ainda mais perfeita.

Em destaque

Drive-in, diversão garantida

Ficar na estrada realmente não estava em nossos planos, mas com certeza ficará marcada como uma das viagens mais intensas que fizemos até aqui. Fomos para o sul do país, mais precisamente Curitiba, onde fizemos um passeio rápido no centro da cidade, pois uma noite espetacular e diferente de tudo que já vivemos estava à nossa espera.

Imagina você fazer uma viagem no tempo e voltar para década de 70, onde o melhor programa a se fazer era pegar seu conversível, colocar a “cremosa” no banco do passageiro e partir para um Drive-in e ver aquele filme especial. Foi exatamente o nosso programa. Mas o ano é 2020, o carro não era conversível e no lugar do filme assistimos ao show do rapper Projota.

Nós temos certeza, o que sentimos foi bem parecido com a emoção que as pessoas sentiram nas décadas passadas, quando esse tipo de programa era febre em vários lugares do mundo.

O Planeta Drive-in Pinhais, que é considerado o maior Drive-in do Brasil é um ambiente totalmente preparado para receber as pessoas nas atuais circunstâncias. A experiência da entrada, parar com o carro virado para o palco, com som de altíssima qualidade e a boa música do rapper, não estariam completas se não houvesse a possibilidade de pedir um lanche e um refrigerante ali mesmo, dentro do carro. E foi exatamente isso que fizemos.

 Para nós que tínhamos o sonho e a vontade de passar por essa experiência, foi incrível. E com toda certeza, todos devem se propor a esse tipo de diversão. Vá a um Drive-in

Foram as duas horas mais incríveis da viagem, porque o que viria no dia seguinte nos deixaria literalmente sem rumo. E se você quer saber exatamente o que aconteceu, você vai ter que ir até o www.youtube.com/programavemprarua e assistir esse episódio que além de incrível está divertidíssimo. E se você for no Drive-in não esquece de marcar o #vempraruanaestrada.

Continue acompanhando o nosso blog e não esqueça. Se inscreva no nosso canal e deixa aqui sua curtida para ficar por dentro de tudo

#drivein #curitiba #projota #naestrada

Em destaque

Programa Vem pra Rua Gastronomia e Cultura

Analice Nicolau jornalista e o Chef de cozinha Luiz Vidal, uniram os sonhos e hoje levam pelo Brasil suas especialidades, uma mistura de cultura e gastronomia de forma fácil e
divertida através do Programa Vem Pra Rua.
O programa foi adaptado para Vem Pra Casa, durante a pandemia, indo a ar pelo YouTube e
pelo Instagram 3 vezes por semana, o programa mostra e ensina receitas, mostra o cotidiano, dicas, podcasts e vídeos interativos.

Analice Nicolau
Conhecida como Analice Nicolau, a jornalista nasceu em Blumenau, SC e desde muito cedo já gostava de interagir com as câmeras. Aos 19 anos começou a fotografar para grandes marcas que atuavam na região, em 2002 que ficou conhecida nacionalmente ao participar do pioneiro reality show “A Casa dos Artistas” veiculado pela emissora SBT. Lançou o
programa Planeta Radical, que mostrava as belezas do estado de Santa Catarina, esportes, saúde, bem-estar e Turismo e em 2003 iniciou no SBT no “Notícias Breves”. Depois disso
trabalhou como jornalista até 2019 no SBT

Chef Luiz Vidal
Começou a carreira gastronômica profissionalmente em 2016, teve rápida
evolução no mercado de trabalho e grande reconhecimentos por parte da mídia.
Vencedor Reality Show Sabor em Jogo – Canal GNT, veiculado em agosto de 2018 e diversas entrevistas relacionadas a gastronomia na TV
Globo/Diário.
É consultor gastronômico, prestou consultoria para diversos restaurantes de
grandes nomes e professor de gastronomia no SENAC e CENAG.